Posts Tagged ‘pragas’

Os mais usados

Cochonilhas são pontinhos brancos que sugam a seiva da planta, enfraquecendo-a.

Contra pulgões e cochonilhas, quando não fazemos o que é o mais recomendado que é prevenir, existem alguns preparados que podem remediar bastante os danos:

Tabaco – O chá da folha do tabaco serve para combater pulgões e cochonilhas. Pode-se deixar 100 gramas de fumo de rolo em 1 litro de água. O tabaco deve estar muito picadinho. Depois de curtido, usa-se 5 gotas por litro.

Urtiga – pique as folhas da urtiga e deixe 24 horas de molho em água.

Losna – Picar e ferver as folhas de losna. Agitar por 10 minutos, criando redemoinhos nos sentidos horário e anti-horário. As folhas da planta devem ser colhidas pela manhã.

Cinza, Agua e Sabão – dissolver tudo deixando decantar e em seguida pulverizar.

Outras pragas do Pomar

No caso de pragas sempre bom é prevenir do que remediar. Uma boa medida é plantar espécies resistentes e adaptadas ao local de plantio e na época certa. O solo deve estar sempre em boas condições e deve-se utilizar sempre produtos naturais. Caso não seja possível, peça antes orientação técnica antes de usar defensivos. Segue adiante mais algumas das pragas mais comuns nos pomares:

ÁCAROS – causam lesões que provocam o murchamento das folhas. É controlado através de inseticidas a base de enxôfre.

pontinhos brancos que sugam a seiva da planta, enfraquecendo-a.

Cochonilhas são pontinhos brancos que sugam a seiva da planta, enfraquecendo-a.

COCHONILHAS – são pontinhos brancos ou avermelhados que esgotam a planta por sugar as folhas e talos. O seu controle é feito com óleos emulsivos.
Emulsão de óleo: leve 1 kg de sabão picado, 8 litros de óleo mineral e 2 litros de água ao fogo até levantar fervura. Mexa até virar uma pasta, que pode ser armazenada para futuras aplicações. Na hora de pulverizar a emulsão, dissolva a pasta em água morna e misture o equivalente a 300 gramas para cada 20 litros de água fria.

TRIPES – As plantas atacadas pelos tripes ficam com uma cor prateada e suas folhas ficam retorcidas e caem prematuramente. Eles atacam as folhas e os frutos mais novos e seu controle é feito com inseticidas à base de fósforo e cloro.

GORGULHOS – se alimentam de folhas maduras, deixando-as quebradas. O controle é feito por catação manual.

BROCAS – fazem furos por todo tronco da planta. O controle da broca é feito pela aplicação de carbureto de cálcio nos furos causados pelas brocas e um pouco de água para provocar fumaça. Depois pincele o tronco com cauda bordalesa.

LARGATA DAS FOLHAS – comem as folhas e o seu controle é feito com inseticidas específicos.

LESMAS – comem as folhas das plantas rasteiras. Seu controle é por catação manual.

Pulgões são pequenos piolhos que sugam as folhas da planta.

Pulgões são pequenos piolhos que sugam as folhas da planta.

PULGÕES – são pequenos piolhos verdes, brancos ou pretos que sugam as folhas, prejudicando que a planta execute a fotossíntese. Seu controle é feito através de calda de fumo ou um macerado de urtiga.

Calda de fumo: pique 20 gr de fumo de rolo, coloque em 1 litro de água e deixe ferver durante meia hora. Coe em pano fino e dilua a mistura em 4 litros de água. Depois é só pulverizar sobre as plantas, em especial nas partes afetadas pelos insetos.

Dicas muito técnicas e muito completas podem ser obtidas no site http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Citros/CitrosBahia/pragas.htm.

Mosca da Fruta

A estratégia a ser adotada é evitar a proliferação da praga nos pomares com o manejo da colheita  e coleta de frutos caidos, monitoramento com armadilhas.

A estratégia a ser adotada é evitar a proliferação da praga nos pomares com o manejo da colheita, coleta de frutos caidos e monitoramento com armadilhas.

A mosca da fruta Drosophila melanogaster é uma mosca que comumente pode ser encontrada próximas a frutas. O tipo mais comum é o chamado selvagem, que apresentam o corpo na cor marrom, os olhos na cor vermelha e asas normais. Outros tipo de drosófilas menos comum são as denominadas mutantes, pois apresentam alguma variações em relação as características encontradas nas drosófilas selvagens, ou seja, possuem olhos vermelhos e corpo marrom, porém não voam (asas vestigiais).

Para combate-las:

Utilizam-se armadilhas (garrafas de plástico incolor), encontradas no mercado. No interior da garrafa colocam-se 100 cm3 de uma solução atrativa, que pode ser obtida pela mistura de 70cm3 de melaço (pode ser substituido pelo açúcar mascavo ou cristal). É feito uma garapa com a fruta do pomar que se prretende proteger, e, a uma diluição de 25% em água, ou vinagre a 10% de diluição.

As garrafas são fechadas e presas às plantas por meio de argolas feitas com arame passado uma ou duas voltas em seu gargalo, logo abaixo do bocal. Devem ficar protegidas dos raios solares, utilizando-se uma garrafa por planta.

Aplicando inseticidas no Pomar

A Gomose é causada pelo fungo do gênero Phytophthora que causa, a podridão da planta na  base do tronco  e das podridões de raízes. É mais comum em citros, principalmente em pomares  novos devido a mudas contaminadas. As lesões diminuem o vigor das árvores a medida que a  circulação da seiva, no sentido descendente para as raízes, vai deixando de se fazer  levando a planta à morte.

A Gomose é causada pelo fungo do gênero Phytophthora que causa, a podridão da planta na base do tronco e das podridões de raízes. É mais comum em citros, principalmente em pomares novos devido a mudas contaminadas. As lesões diminuem o vigor das árvores a medida que a circulação da seiva, no sentido descendente para as raízes, vai deixando de se fazer levando a planta à morte.

Aplicam-se os inseticidas líquidos por meio de aparelhos denominados pulverizadores. Existem vários tipos, desde a seringa borrificadora até grandes aparelhos tirados por animais ou motores.

Para que se tenha o máximo de êxito no combate aos insetos e fungos, é necessário lançar os líquidos formando uma espécie de nevoeiro que cubra todas as partes vegetativas das plantas com uma camada fina, aderente, do inseticida ou fungicida, sem escorrer pelas folhas e troncos.

Para um pequeno pomar,   é suficiente aparelhos de pressão média, que o operador carrega no dorso, sendo muito comum entre nós o tipo Vermorel. Estes aparelhos têm a capacidade de 10 a 15 litros e desenvolvem uma pressão de 8 quilos. Em se tratando de árvores altas, é indispensável usar pulverizadores de maior pressão (10 a 20 quilos), montados sobre carreta, e de bomba movida a braço, com mangueira e uma lança. Convém proceder às pulverizações logo que as plantas estejam enxutas do rocio da noite, ou da chuva. Se após uma pulverização sobrevierem chuvas dentro da primeira hora, convém repetir a operação.

Combatendo pragas no Pomar

É muito grande o número de pragas e doenças que atacam as plantas frutíferas, comprometendo não só a qualidade da produção mas até mesmo a vitalidade da planta. A diversidade de inimigos é muito grande, exigindo um criterioso controle para que hajam bons resultados sem causar maiores danos.  A principal preocupação deverá ser o combate às formigas, especialmente as formigas cortadeiras, utilizando-se:

Existe também uma cinta de plástico, encontrada no mercado, que impede as formigas de subirem nas árvores.

Existe também uma cinta de plástico, encontrada no mercado, que impede as formigas de subirem nas árvores.

  • Preventivos – consiste em fazer uma minisaia com um pedaço de plástico grosso ou outro plastico transparente (garrafa pet), amarrando-o ao tronco da muda.

Nesse caso utiliza-se granulados à base de dodecacloro.

Granulados encontrados no mercado.

  • Químico – é feito com o uso de íscas granuladas que são espalhadas na superfície do solo, especialmente ao longo do “caminho” das formigas.

Quando as plantas estiverem produzindo, haverá também necessidade de se realizar o combate a moscas-das-frutas.

É recomendável a utilização de armadilhas no combate à essa praga. Pode-se usar armadilhas caça-moscas encontrados no mercado, ou então garrafas de plástico incolor (pet) preferencialmente as mais transparentes como por exemplo as garrafas utilizadas para vinagre, por exemplo.

Em cada garafa são feitos três orifícios para a entrada dos insetos. No interior das garrafas deve-se colocar 100 cm3 de alguma solução atrativa (70 cm3 de melaço em 1 litro de água), ou açúcar cristal.  Pode-se também empregar o suco da fruta que queremos proteger, laranja, uva, pêssego, etc.  As garrafas com as iscas devem ser distribuídas de forma irregular no pomar.