Posts Tagged ‘poda’

Instrumentos usados para podar

Não existe bom podador sem boa ferramenta, isto é, a apropriada, a limpa, a afiada e lubrificada. Não considerando os casos especiais e raros, três ferramentas são indispensáveis ao podador:

– tesoura de poda,;

– serrote de podar,

– decotadeira.

Inúmeros são os instrumentos e ferramentas utilizados na execução das diferentes modalidades de poda, até o machado, a foice e a serra grande ou trançadeira podem, às vezes, entrar na relação das ferramentas do podador. Existem também instrumentos especializados como tesouras para desbaste de cachos de uva, alicate para incisão e anelamento, etc. (Inglez de Souza, 1986).

A tesoura de poda é a ferramenta típica do podador, servindo para os diversos tipos de poda. É empregada para corte de ramos com diâmetro de até meia polegada, além desse limite convém empregar o serrote de poda.

Anúncios

Tipos de Poda

BlogBlogs.Com.Br

O fruto da amoreira é depurativo do sangue, antisséptico, digestivo, diurético, refrescante, calmante, etc

O fruto da amoreira é depurativo do sangue, antisséptico, digestivo, diurético, refrescante, calmante, etc

PODA DE FORMAÇÃO

Destina-se a formar a estrutura da árvore, assegurando-lhe um aspecto conveniente, dando posição, comprimento e direção ao tronco e aos ramos mestres. É feita  até o terceiro ano pós-plantio e praticamente, todas as  frutíferas necessitam deste tipo de poda. Geralmente iniciada com 2 anos após o plantio e encerrada ao mais tardar, com três anos de idade. Em alguns casos indicado o início da poda de formação no primeiro ano. No entanto poderá ser feita em plantas que estejam bem desenvolvidas a 20 cm de altura do solo. É aconselhavel a realização desta poda nos meses de agosto e setembro, podendo-se fazer um repasse nos meses de janeiro ou fevereiro.

PODA DE LIMPEZA

É também chamada de conservação. Executa-se por ocasião dos tratos hibernais e consiste na supressão total ou parcial das partes atacadas de doenças, e por vezes muito infestadas de parasitos.

PODA DE FRUTIFICAÇÃO

Cada frutífera exige poda apropriada. O podador deve conhecer perfeitamente a árvore que vai podar, distinguindo-lhe certas particularidades. Geralmente as plantas de clima temperado, como a figueira, macieira, etc, necessitam da poda de frutificação. Em jaboticabeira e cacaueiro as gemas são  situadas no tronco, sendo  realizada apenas a poda de formação

IMPORTANTE

Para perfeita execução da poda, é necessário um conhecimento da posição, distribuição e função dos ramos e das gemas e circulação da seiva.
As raízes das fruteiras extraem do solo a água, contendo esta, em solução, os sais nutritivos que alimentarão a planta. Tal solução constitui a SEIVA BRUTA, que sobe pelos vasos condutores localizados no interior do tronco e se dirige até as folhas. Nestas e em presença de luz e perdendo água por transpiração, a seiva bruta passa por diversas transformações, tornando-se seiva elaborada.
A seiva circula pela planta toda, sempre fluindo para as partes mais altas e mais iluminadas da árvore, razão pela qual os galhos mais vigorosos são aqueles que conseguem se posicionar melhor na copa e têm uma estrutura mais retilínea, o que favorece sua circulação.
Circulando pela periferia da planta, a seiva alimenta todos os órgãos e determinam seu crescimento e evolução, tais como: o desenvolvimento das raízes, o crescimento dos brotos, aumento dos ramos, folhas, gemas e a frutificação. É por isso também que, o crescimento da planta tende sempre a se concentrar nos ponteiros dos ramos,. Quando eliminada, através da poda, ocorre uma melhor redistribuição da seiva, favorecendo a brotação lateral da gemas.
A circulação rápida da seiva tende a favorecer desenvolvimento vegetativo, enquanto que a lenta, o desenvolvimento de ramos frutíferos e essa circulação é em função da estrutura da planta. Quanto mais retilínea, mais rápida a seiva circulará.

Podando as plantas do pomar

Originária da China onde é considerada a fruta nacional, a lichieira e uma árvore subtropical com ate 12 metros de altura e de grande longevidade. Em muitos países e considerada a rainha das frutas.  A colheita ocorre de novembro e janeiro, atendendo o mercado na época das festas natalinas, quando a procura e o preço são maiores.  Devido ao seu belo porte, atraente formato, folhas verde escuro e permanentes e principalmente devido a beleza da frutificação a lichieira é a árvore favorita para os jardins de residência no Hawaii, Callifórnia, San Francisco, Los Angeles, Monterey, Alhambra, etc.  Os frutos produzem em cachos, a casca é rugosa e de cor vermelha e fácil de ser destacada. A polpa é gelatinosa, translúcida sucosa e de excelente sabor, lembrando ao de uva itália e não é aderente ao caroço. Se presta para consumo ao natural, para a fabricação de sucos, compostas e ainda para a passa.  A rusticidade da lichieira a torna bastante resistente a doenças. Quanto às pragas, eventualmente podem ocorrer brocas de tronco, ácaros e abelhas nos frutos.

Originária da China onde é considerada a fruta nacional, a lichieira e uma árvore subtropical com ate 12 metros de altura e de grande longevidade. Em muitos países e considerada a rainha das frutas. A colheita ocorre de novembro e janeiro, atendendo o mercado na época das festas natalinas, quando a procura e o preço são maiores. Devido ao seu belo porte, atraente formato, folhas verde escuro e permanentes e principalmente devido a beleza da frutificação a lichieira é a árvore favorita para os jardins de residência no Hawaii, Callifórnia, San Francisco, Los Angeles, Monterey, Alhambra, etc. Os frutos produzem em cachos, a casca é rugosa e de cor vermelha e fácil de ser destacada. A polpa é gelatinosa, translúcida sucosa e de excelente sabor, lembrando ao de uva itália e não é aderente ao caroço. Se presta para consumo ao natural, para a fabricação de sucos, compostas e ainda para a passa. A rusticidade da lichieira a torna bastante resistente a doenças. Quanto às pragas, eventualmente podem ocorrer brocas de tronco, ácaros e abelhas nos frutos.

POR QUE PODAR

Podar vem do latim brputare, que significa limpar, derramar. Para que as plantas do pomar formem uma copa a uma altura adequada, capaz de produzir bastante em ufrutos OR ma possição acessível para a colheita, as plantas (principalmente as enxertadas) necessitam de poda de formação.
Poda de formação consiste em cortar o único tronco , obtido por meio de sucessivas desbrotas, a uma altura de 30 a 90 centimetros (dependendo da planta).
As espécies de crescimento mais reto, por exemplo, a goiabeira, são podadas mais baixo, enquanto aquelas de hábito mais esparramadas, como as mangueiras, a alturas maiores. As plantas enxertadas e aquelas conduzidas em suportes (maracujá e videiras) devem ser periodicamente desbrotadas, eliminando com isso todas as brotações que surjam abaixo das pernadas, no primeiro caso, ou abaixo do suporte no segundo caso.
Essas desbrotas devem ser feitas o mais cedo possível, a fim de que as partes a serem eliminadas estejam ainda bem tenras, o que evita que a planta seja ferida ou lascada.

PRINCIPAIS FUNÇÕES DA PODA

  • -Dar às árvores uma forma equilibrada para que a seiva se distribua mais uniformemente possível, tendo como consequencia uma produção mais regular e abundante.
  • -Obrigar a frutificar as árvores que manifestam pouca tendência para isto.
  • -Obter, mais cedo, frutos maiores e de melhor qualidade.
  • -Dar à árvore uma forma mais conveniente, para facilidade da colheita e tratamentos.
  • -Eliminar galhos supérfluos e doentes, arejando a árvore e combatendo e entravando o desenvolvimento de moléstias e inimigos.

FRUTEIRAS QUE DISPENSAM PODA:

Diversas plantas, por esse imenso Brasil, produzem frutos comestíveis e são bem conhecidas e apreciadas pelo povo. Inglez de Souza, 1986, cita 71 dessas fruteiras: Abacaxi, Abricó, Abiu, Açaí, Acapu, Araçá, Araticum, Bacuri, Caimito, Cajá-manga, Cajá-mirim, Caju, Camapu, Cambucá, Cambuci, Carambola, Castanha-do-pará, Cereja-do-rio-grande, Ciriguela, Coco-da-praia, Coração-de-boi, Cupuaçu, Feijoa, Figo-da-índia, Fruta-pão, Jenipapo, Graviola, Grumixama, Guabiroba, Ingá, Jabuticaba, Jaca, Jambo, Jambolão,
Jaracatiá, Lichia, Mangaba, Mangostão, Murici, Oiti, Pequizeiro, Pitanga, Pitomba, Pupunha, Romã, Sapota, Sapoti, Sapucaia, Tâmara, Tamarindo, Tarumã, Umbu, Uva-do-japão, Uvaia